quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Textos soltos #2

we heart it

Logo na primeira vez que te vi soube que irias ser tu. Consegui ver através dos teus olhos que eras fácil de magoar e as tuas mãos não paravam quietas. Ou estavas nervosa ou querias sair daquela sala por não estares a conseguir lidar com os meus olhares. Não te consegues decidir e ficas atrapalhada em todos os momentos. Não sabias se sorrias, então cada vez que os nossos olhares se cruzavam os teus olhos queriam sorrir e viravas a cabeça.

Bastou uns sorrisos, uns olhares, uns toques, umas palavras e uns beijinhos e já estavas na palma da minha mão. Bastou ouvires um "não" para que o teu coração começasse a arder. Se pudesses enfiavas-te num buraco e comecei a rir na tua cara. Já te tinha magoado, mas ainda queria partir-te o coração. Deixei-te pensar que o tempo iria curar todas as feridas que tinhas e quando pensaste que tinhas começado a esquecer-me eu beijei os teus lábios, toquei no teu cabelo e acariciei a tua mão só como eu sei fazer e pensaste que quem não conseguia esquecer alguém era eu. Enganei-te porque para mim foi como que aquele momento não tivesse existido e achaste que tinhas imaginado aquilo tudo e pediste aos Santos para que fosse verdade, mas no fundo sabes que aconteceu porque só o meu toque te faria sorrir depois de tanta dor. 
Eu sabia o mal que te estava a fazer. Eu estava a brincar com o teu coração como eu brincava com carros quando era mais novo. Brincava com o meu BMW quando me apetecia, porque eu fartava-me e queria mostrar-lhe que lá por ele ser um dos melhores carros que eu tinha, não significava que só era feliz quando brincava com ele. Só te estava a magoar porque merecias. Porque as meninas bonitas merecem sofrer. Porque as meninas bonitas não têm um coração repleto de amor, mas sim um cubo de gelo no lugar dele. 

Dá-me prazer ver-te assim tão confusa, tão à toa, tão magoada, triste e frágil.


Não é verídico | Escrito por mim, mas do ponto de vista de um rapaz

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Finalmente é sexta!



Finalmente hoje é sexta-feira, o que significa que durante dois dias que mais parecem metade de um, não vou à escola. Não têm a noção do quão cansada eu estou e apesar de não estar muito satisfeita com os resultados que estou a obter da primeira ronda de testes, vou descansar um pouco.

Tenham um ótimo fim-de-semana e aproveitem-no da melhor forma!

sábado, 5 de novembro de 2016

Digo adeus e já está?

Este sentimento é tão frustrante e estranho. Tantas pessoas que fizeram parte da minha vida e agora simplesmente desapareceram. Acredito que todas as pessoas que se cruzam no nosso amigo têm alguma coisa para nos ensinar, têm algum propósito. E depois a vida tira-nos essas pessoas, elas desaparecem. Já não percorrem o caminho connosco e isso é frustrante. Porque como é que me sinto se eu quisesse levar essa pessoa comigo? Será que o mundo tem esse direito? Mete as pessoas que quer e tira outras tantas. Sei que independentemente do que acontecer, as pessoas que tiverem mesmo que ficar, ficaram, mas há pessoas que conhecemos que simplesmente nos damos bem e depois, da mesmo forma deixamos de falar, não por não querer, mas porque tinha de ser assim. 

we heart it


À dias estava no autocarro a olhar pela janela e numa das paragens vi um colega da minha antiga turma e com pena minha, ele não me viu e fiquei a pensar no que disse antes. Fiquei a pensar no facto de nunca mais ter falado com ele, mas de falar sobre ele com os meus amigos. Antes do nono ano, só o conhecia de vista, ele sempre andou na minha antiga escola e não sei porquê, mas no último ano ele ficou na minha turma. Ele e outras pessoas. E agora que penso, porquê que depois desta mudança de escola, eu perdi o contacto com ele e continuei a falar com outros que também só conheci no nono ano? A vida é mesmo um mistério. Ela decide sozinha quem deve ficar connosco e quem não deve. E ISSO DEIXA-ME FRUSTRADA! 


sexta-feira, 4 de novembro de 2016

"Fala-me de um dia perfeito", de Jennifer Niven



Algum tempo já passou desde que acabei de ler este livro, mas só hoje decidi falar-vos dele. 
Comprei-o, porque uma amiga minha falou-me bem do mesmo e não resisti ao comentário do "Para quem procura o próximo A Culpa É das Estrelas - aqui está ele!". 

Sinopse (retirada da Internet): Violet Markey vive para o futuro e conta os dias que faltam para acabar a escola e poder fugir da cidade onde mora e da dor que a consome pela morte da irmã. Theodore Finch é o rapaz estranho da escola, obcecado com a própria morte, em sofrimento com uma depressão profunda. Uma lição de vida comovente sobre uma rapariga que aprende a viver graças a um rapaz que quer morrer. Uma história de amor redentora.

Opinião: Vou vos ser muito sincera: eu já li o livro a algum tempo, por isso eu já não me lembro muito detalhadamente sobre o mesmo, então resumindo, eu gostei do livro. Gostei do livro, das personagens, das personalidades das mesmas, da forma que a Jennifer escreve e de como começa um novo capítulo (o livro está escrito do ponto de vista das duas personagens principais). Quando cheguei ao fim, simplesmente não quis acreditar e muito menos quis acreditar na forma que o mesmo acabou. Eu não queria que o fim tivesse sido daquela forma, mas ao mesmo tempo, acho que era assim que deveria de acabar. 
Eu sem dúvida que me apaixonei por Violet e Theodore. Fez-me lembrar o livro "À Procura de Alaska" e caso não sabem, é o meu livro favorito, que agora está em discussão com este, porque parece que leio sempre um livro melhor que o anterior. 

Concluindo, acho que deveriam ir a correr para uma biblioteca e comprar este livro já, ou então, deixem para o Natal porque chega a uma parte da história em que vocês não conseguem largar o livro e isso prejudicará os vossos estudos. Beijinhos  

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Top 5 - músicas do momento

Olá! Hoje, venho partilhar convosco cinco músicas que ando a ouvir muito ultimamente. Espero que se identifiquem com alguma. 


Hailee Steinfeld - Starving



James Arthur - Say you won't let go




Martin Garrix & Bebe Rexha - In the Name Of Love




Hozier - Take Me To Church




MKTO - Classic




Espero que tenham gostado! 

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Cartas não lidas #4

we heart it


Querido pai,

sou sem dúvida a menina do papá e tenho tantas coisas a agradecer-te. Sei que um simples obrigada não será o suficiente para te mostrar que estou muito grata pela tua ajuda durante estes quinze anos. Só quero que saibas que eu não me irei esquecer das vezes que fizeste a febre desaparecer, dos teus beijos que faziam com que a dor no dedo passasse, das milhares de vezes que compraste o que eu te pedi, entre outras tantas coisas. E quero que me perdoes de todas as vezes que eu me ponha a resmungar e acabavas chateado comigo. Eu não consigo ser a filha perfeita, mas acredita que eu tento poupar-te o trabalho e não te dar preocupações. Às vezes as coisas correm mal, mas a minha intenção era boa. 
Quero muito que saibas que eu acho que tu, pai, és uma pessoa extraordinária. Às vezes exaltaste com algo pequeno que eu diga, mas compreendo que é o stress do trabalho. Mesmo assim, continuas a ser a minha pessoa preferida neste mundo e no próximo. Fico admirada com tanta coisa que sabes. Tenho imenso orgulho em ti, sabes? És uma das pessoas mais engraçadas que eu conheço, não te armas em engraçado e em palhaço, és mesmo engraçado por natureza. Vejo a bondade em ti cada vez que fazes algo para ajudar os outros, em cada vez que deixas de fazer coisas para beneficiar os outros. Sei que me queres ver feliz quando mesmo cansado e com sono, jogas ao Monopólio comigo porque passei dias a pedi-lo; quando deixas-me contar anedotas, mesmo sabendo que eu não tenho jeito nenhum para isso; quando pegas no carro e fazemos uma viagem mais comprida porque sabes que eu gosto. "És o meu herói", era o que eu pensava quando era pequena e agora tenho a certeza disso. 
Só tu e eu é que conhecemos as nossas brincadeiras; só nós sabemos daquelas vezes em que à noite chegava ao teu pé a chorar e dizia "Tenho saudades da mãe" e davas-me um copo com água e açúcar e perguntavas-me se eu queria ligar-lhe; só tu e eu sabemos das vezes em que ia dormir para a minha cama e acordava na tua; mas acho que toda a gente sabe que és a pessoa que eu mais gosto neste mundo. E aqui entre nós, peço a Deus que me leve primeiro, porque eu nunca iria conseguir lidar com a dor que seria perder-te.
Da tua filha preferida, 

Mariana

Outubro || amigos e testes



Como setembro, o mês de outubro sem dúvida que passou a voar. Ou foi só impressão minha? 
Este mês foi marcante. É o começo dos testes e é a continuação de setembro, ou seja, continuei a conhecer melhor os meus colegas, mas acho que essa fase já passou. Somos todos amigos e dá-mo-nos bem. 
E para o mês de outubro acabar em grande, o meu tio veio de França e cá vai ficar um mês. 

Aproveitem muito bem o mês de novembro, porque é o penúltimo de 2016. Porque o ano está a acabar e é a vossa oportunidade de fazer com que este ano tenha valido a pena.